Project DIVA X – Um novo começo?

Project DIVA é uma das franquias de jogos de ritmo mais duradouras e rentáveis da SEGA, Hatsune Miku se tornou uma das mascotes oficiais da Sega, mais que o próprio Sonic. Sorry Sanic ¯\_(ツ)_/¯

Em 2015, a SEGA feat. Hatsune Miku Project, equipe responsável por todos os jogos da franquia, faz um teaser no Twitter, com um site exibindo uma contagem regressiva começando pelos números 3939, que para quem não sabe, 3 e 9 são lidos em japonês como mi(ミ) e ku(ク), ou como san(三) e kyuu(九). Mi-ku ou San-kyuu (Thank You).

Imagem1

Algo está por vir…

Um fundo branco com 6 linhas representando as cores de cada Vocaloid e o contador deixou um grande mistério no ar, o que a Sega estava aprontando?

O mistério teve o seu final no Aniversário de 8 anos da Hatsune Miku em 31 de agosto de 2015, com a revelação do desenvolvimento de um novo jogo da franquia.

Imagem2

Agora é de conhecimento geral que um novo jogo estava a caminho. Junto com esse anúncio, um vídeo mostrando uma retrospectiva da série é postado no canal oficial do YouTube:

O vídeo despertou muitas curiosidades do fandom como de costume, muitas especulações e muita expectativa também (até demais).

Muitas imagens e informações foram sendo divulgadas na Famitsu e no blog oficial do Project DIVA mantido pela Sega, mostrando uma mudança radical em sua interface. O que que tá acontecendo?

A Sega of America também entrou no hype train de uma forma bem zoeira confirmando a localização do jogo na América:

“Está ficando bem movimentado aqui no escritório da Sega, então vamos estocar alguns itens necessários.”

Para quem não entendeu, cada item na geladeira representa um dos Vocaloids, a seguir:

  • Alho poró: Miku
  • Sorvete: KAITO
  • Sake/Champagne/Pinga/51: MEIKO
  • Banana: Len
  • Laranja: Rin
  • Atum (não, não é o atum de ônibus/metrô em hora de pico): Luka

Lançado em 24 de março de 2016 para PS Vita e dia 25 de agosto como 初音ミクーProject DIVA X HD para PS4 no Japão; E dia 30 de agosto para PS4 e PS Vita no ocidente, o novo Project DIVA X leva o algarismo romano 10, em homenagem ao décimo jogo da série.

Arte final ver. PS4 por KEI

http://miku.sega.jp/x/

Finalmente. Agora vamos saber o que a Sega andou fazendo durante todo esse tempo após o lançamento de seu antecessor. A versão jogada, é a do PS4, e irei chamar carinhosamente de PDX.

Senta que lá vem história

Inédito na série, agora temos uma história envolvendo nossos Vocaloids. Uma surpresa para um simples jogo de ritmo que até então, era direto ao assunto.

A abertura do jogo com a música composta pelo filho prodigo ryo do Supercell, já dá uma pista do que aconteceu. Fiquem com a “罪の名前” [The Name of the Sin]

Não entendeu? Calma que vou tentar explicar.

De uma hora para outra, todos perdem sua capacidade de cantar, tudo fica sem graça e sem cor. Sua missão, é ajudar a trazer de volta o espirito da música para a Miku e seus amigos voltarem a cantar.

O universo dos Vocaloids é dividido 5 áreas com seus respectivos nomes acima. Todas elas estarão vazias e apagadas, aguardando você para traze-las de volta do limbo.

Estas áreas são denominadas Cloud Areas, aqui vou chama-las de nuvem.

Hatsune Miku conta com sua ajuda para o mundo voltar a ser como era! Você não está sozinho, Len, Rin, Luka, Kaito e Meiko estarão ao seu lado. Seu progresso depende de você, jogador. 

DIVA ROOM HOME

DIVA ROOM HOME agora é a sua interface principal do jogo, além de acessar os menus principais, agora você pode cutucar a Miku a vontade com o TouchPad, mudar o tema da sala, a música, e os Modules, assim como já fazia no Diva Room dedicado nos jogos anteriores. Já o Sub(menu) tem as outras opções, inclui-se aí o Free Play ou “Modo Arcade” como queira.

A interação com os Vocaloids recebeu algumas mudanças. Dependendo do Module que ele estiver usando, sua personalidade será alterada. Podendo ir de mais fofa(o) até o mais metida(o). Seu nível de afeição também está mais desafiador, agora há mais limites, não adianta ficar tentando agradar à força com presentes o tempo todo.

Motor Gráfico

hatsune-miku_-project-diva-x_20161020201819

O estilo segue o mesmo padrão dos jogos anteriores para PS3, com a diferença de termos mais polígonos, mais efeitos de pós-processamento e texturas com o dobro de resolução.

O visual está muito bonito e rodando lindamente a 60 quadros. Tão bonito que ouvi a ventoinha fazendo bastante barulho em algumas músicas, coisa que não acontece no Future Tone, o que é estranho pois este jogo não aparenta ser tão pesado, além de ter um Anti-Aliasing bem modesto, mas funcional.

Gameplay

“Modo Carreira”

Está é a parte principal onde gira toda nossa história, a Cloud Request. Aqui, você seleciona as nuvens, cada uma tem uma quantidade de músicas a ser jogada.

Cada nuvem é composta por uma quantidade de músicas e um Medley. Após jogar todas as músicas da nuvem selecionada, um Medley irá aparecer.

Os Medleys são outra novidade deste jogo, são 1 para cada nuvem, e sua apresentação sempre será em um palco. Por terem um tempo de duração maior com trocas de BPM, são mais desafiadores dependendo do seu nível.

E graças aos Medleys, o jogo é um pouco mais democrático e não deixar só  a Miku tomar os holofotes sozinha o tempo todo, temos mais Vocaloids performando de uma só vez. 

Neste jogo temos uma outra novidade, o Voltage Rate Bonus, que funciona como um multiplicador de pontos.

Voltage = Score

A cada personalização/troca de roupa, você ganha bônus no Voltage Rate. Cada Module, cacarecos e penduricalhos é identificado com sua respectiva “nuvem”, combinando-os, você recebe um bônus em % com base em suas escolhas. 

Cada item do seu inventário tem suas particularidades descritas lá nos cantos superiores da tela, que podem te ajudar ou não de várias formas diferentes na jogatina. Ou seja, a regra de quanto mais melhor só se aplica desde que sejam selecionados os itens certos.

Coitadis da Miku, vai parecer uma árvore de natal com orelhas e pompom

A Sega encontrou um meio de estimular os jogadores a fazer o uso dos cacarecos disponíveis desde os primeiros Project DIVA, e não se limitar apenas a troca de Modules. Pode parecer confuso e pouco intuitivo até você pegar o jeito e entender como funciona. E esqueça os Diva Points, aqui você tem que ir desbloqueando os itens cada vez que jogar uma música.

As mudanças no HUD no Cloud Request são pequenas, o Voltage Rate, o “power-up” do Module e mais algumas informações em letras pequenas, temos as notas tradicionais da série, a estrela (sem trilhas), e a adição das Rush Notes, nelas você precisa pressionar o respectivo botão quantas vezes conseguir.

O jogo conta com 24 músicas no geral, 6 medleys e 2 músicas por DLCs até o momento, totalizando 32 músicas.

Mas o que chamou mais atenção, foi a transição que a Sega fez nos estilo dos PVs. Os PVs antigos sempre contavam uma história, seja ela referência a música em questão ou não. Agora, os PVs são salas/palcos temáticos, onde você vê apenas a coreografia de um ou mais Vocaloids em um cenário menor e decorado de acordo com a música.

Outros jogos de ritmo já tem PVs com a mesma fórmula, o IdolM@ster e o famoso Love Live!, são alguns exemplos. É obvio a tentativa da Sega em adequar os PVs do PDX e entrar no páreo utilizando da mesma fórmula da concorrência.

O Chance Time agora tem a função de Module Drop, que é o momento na música que você conquista um Module para seu Vocaloid, caso seja bem sucedido, você pode ganhar um novo Module ou apenas receber um repetido. Só não esqueça de não se distrair com a animação da “digievolução”, a música não para.

Após cada música bem sucedida, o prisma que representa a nuvem escolhida é preenchida aos poucos. Para isso basta cumprir os objetivos de cada música. Caso não consiga, pode tentar quantas vezes quiser.

Kaito fanfarrão, nunca me enganou

Entre uma música e outra, a história se desenrola com o dialogo entre os Vocaloids. Seguindo mesmo estilo de jogos Visual Novel, que para quem não sabe, são jogos onde você interage com os personagens lendo textos e respondendo perguntas. No PDX, suas respostas não chegam a interferir diretamente no enredo, apenas irá ver uma o outra conversa diferente.

“Modo Arcade”

O Free Play se comporta exatamente como os antigos jogos da série. Acessado no submenu da HOME. Você terá acesso apenas as músicas que já tiver jogado no Cloud Request (aka Modo Carreira ^_^)

Durante a história, em alguns momentos você será convidado a participar de eventos isolados dos outros modos.

Os Live Requests funcionam como Quests Secundárias, a cada intervalo, você será convidado a gerenciar um show com os Vocaloids, escolhendo até 3 músicas, palco e figurino. Ao final recebera sua recompensa, que é informada antes de começar.

Resumindo…

O que temos no PDX:

  • Uma história
  • O Diva Room agora é Home
  • Três modos de jogo: Quest Area, Free Play e Request
  • Os PVs agora são Live PVs
  • Medleys com músicas novas e antigas
  • Rush Notes
  • O Chance Time mais útil
  • Mais de 300 Modules e penduricalhos para desbloquear.
  • O Concert Edit deu lugar ao antigo Edit Mode, nada de MP3 ou charts personalizados. (No PSVita, você pode baixa-lo gratuitamente na sua PSN)
  • A volta do ryo

Todas estas mudanças impactaram diretamente do gameplay geral do Project DIVA X como um todo. A história criada para o jogo foi a novidade mais notável. Somando-se a adição de basicamente todos os Modules, Medleys e outras conquistas, temos o Project DIVA com o maior fator replay da série.

Mas isso não significa que o jogo seja o melhor por causa disso. A história contada tem uma proposta interessante, mas por várias vezes o jogador se encontrará no meio de uma conversa vaga e sem sentido, deixando o gameplay mais demorado. É possível jogar sem rodeios no Free Play, mas antes, você precisa desbloquear as músicas no Cloud Quest antes. Ou seja, você não tem opção. 

O Module Drop ao final do Chance Time é bem aleatório, então com sorte, você vai precisar jogar várias vezes até conseguir os mais de 300 Modules do jogo. Incluindo os itens ganhos no final da música, que também podem vir repetidos.

O repertório de músicas é bom e os Medleys dão um sabor adicional, algo que provavelmente vai aumentar com DLCs para se comprar. Alguns alegam uma baixa quantidade de músicas, mas aqui cabe uma ressalva, o seu antecessor (PDF2nd) tinha ainda menos se levar em conta as 19 antigas que vieram junto com as 19 músicas novas.

Outro detalhe que surpreendeu a todos, foi a transição dos PVs de história, para os PVs de palco. A tentativa de pegar carona no bonde do Love Live! foi aceita por alguns, e mal recebida por outros.

A Polêmica

Antes do jogo ser lançado, o fandom deixou bem claro sua crítica com relação as mudanças no jogo nos comentários do YouTube ao longo de todos os vídeos divulgados:

2

141

Apesar do canal ser direcionado ao Japão, o contingente ocidental é bem maior.

E sim, tinha alguns brasileiros opinando sobre o jogo, mas esse aqui fiz questão de destacar:

1

Você disse R$ 600,00 REAIS??

1u51vh

Espera, essa pessoa não pode ter pagado tudo isso, nem o importado custa tudo isso com impostos! Minha cópia física do PS4 custou bem menos que isso! Detalhe, ele comprou a versão do PS Vita porque na época não havia a do PS4. Se é verdade ou mentira, nunca saberemos.

Nem todos estavam contra as mudanças…

3

5

E entre outros…

O hype gerado pelo buzz da Sega nos primeiros vídeos criou uma grande expectativa, e quem esperava um jogo semelhante ao último, se decepcionou bastante. As principais queixas foram sobre a mudança nos PVs, as poucas músicas e o modo história.

Mas será correto esse tipo de julgamento? É preciso entender a proposta deste novo Project DIVA, que é se assemelhar com os demais jogos de ritmo com Idols para manter os atuais fãs da série e reconquistar os que deixaram, e o enredo do jogo faz referências a isso.

Dia errado, momento errado

O dia 24 de março foi bem movimento no Japão. Junto com o PDX, outros 3 jogos bastante aguardados também saíram no mesmo dia: Dragon Quest Monsters: Joker 3 (Nintendo 3DS), Dark Souls III (PS4) e Dead or Alive Xtreme 3 (PS VITA). Só AAA!

O PDX teve um leve primeiro lugar que não durou muito tempo, amargando uma 3º posição no ranking geral na primeira semana. Segundo o site Mikufan, o jogo vendeu 70,000 cópias em 4 dias, bem abaixo das 154,000 do Project DIVA F na primeira semana em 2012.

O port do Future Tone para o PS4 também pode ter atrapalhado as coisas. Quem joga o Arcade ou no minimo conhece como funciona, sabe que este Project DIVA é superior no gráfico e musical. Seu anuncio ofuscou bastante o PDX, mesmo faltando 2 meses para ser lançado PS4.

E para encerrar, na Coréia do Sul, o jogo chegou a ser removido das lojas por causa da letra da música Seisou Bakuretsu Boy (聖槍爆裂ボーイ), ter conteúdo improprio para os pobres pré-adolescentes. 

Mas essa medida não durou muito tempo, o jogo voltou a ser vendido, mas agora com classificação de +18 anos! Quem olha isso pode ter uma péssima primeira impressão para um simples jogo de ritmo com uma capa que não remete ao contexto geral da classificação +18.

Essência Perdida?

Muito se discute sobre a essência do Project DIVA estar se perdendo, mas como podemos definir a essência de um jogo?

Essência quer dizer: o que existe de primordial ou indispensável

Então, qual é a essência do Project DIVA para você? 

Cada um julga e define com base em suas experiencias, e naquilo que considera essencial. A essência está um pouco diferentes neste jogo, mas a mecânica principal ainda está lá.

A série Project DIVA está envelhecendo e perdendo sua relevância, e mais do que ninguém, a equipe Sega feat. Hatsune Miku Project está cada dia mais ciente disso. Seguir a concorrência é um risco, mas antes isso do que fazer outro “mais do mesmo”.

Conclusão

Mesmo com seus defeitos, o Project DIVA X (ou HD se for a versão japonesa), ainda tem muito conteúdo a ser explorado.

Você terá novas músicas e medleys para aproveitar e várias novidades que dificilmente você verá em um jogo de ritmo comum, no entanto, será necessário tempo e alguma paciência pra desbloquear boa parte de seu conteúdo e entender suas mudanças, que de um jeito ou de outro, faz parte do gameplay como um todo.

Por ser a primeira vez que a Sega cria um enredo para o Project DIVA, já é de se esperar que não saia perfeito. Todo o barulho feito deve ter chegado até a Sega, para que o próximo jogo seja mais lapidado e polido como merece.

Será que este jogo é um recomeço para a série? Saberemos em breve.

Com tudo isso, este é o Project DIVA mais longo feito pela Sega.

 

Fontes?

http://www.vocaloidbrasil.com/project-diva-x-e-removido-das-lojas-na-coreia/

http://www.vocaloidbrasil.com/sega-abre-site-do-possivel-proximo-project-diva/

Anúncios

Um comentário em “Project DIVA X – Um novo começo?

Os comentários estão encerrados.